TEMA: Feridas

PERFIL DA FERIDA DE PACIENTES COM PÉ DIABÉTICO E ÚLCERA VARICOSA ATENDIDOS EM UM SERVIÇO DE REFERÊNCIA

Joice Fragoso da Silva Oliveira*,

Andressa Letícia Lopes da Silva,

Izabelle Cristina Acioly de Omena,

Raíssa Fernanda Evangelista Pires dos Santos,

Maria Lysete de Assis Bastos,

Thaís Honório Lins Bernardo

Introdução: A Diabetes Mellitus (DM) é um distúrbio metabólico que apresentam em comum hiperglicemia. O pé diabético é uma das principais complicações da DM, caracterizado por lesões decorrentes de neuropatia, isquemia e infecção1. A Úlcera Venosa, associada com hipertensão venosa dos membros inferiores, compartilha algumas das características da úlcera de pé diabético, e devido a sua elevada prevalência é considerada uma doença de grande importância para a saúde pública2. A adequação do cuidado tópico e da avaliação da lesão é possível somente quando as observações e os resultados das intervenções são documentados, além do conhecimento a cerca da lesão e do paciente. Objetivo: Descrever o perfil das feridas dos pacientes portadores de pé diabético e úlcera varicosa, atendidos em um serviço de referência para o tratamento de feridas. Material e Método: Estudo exploratório, transversal, realizado com 20 pacientes, portadores pé diabético e úlcera varicosa de ambos os sexos, atendidos no Ambulatório do Hospital Universitário Professor Alberto Antunes, Maceió-AL. O perfil da ferida foi traçado por meio da análise da história da doença, a partir da aplicação de um questionário incluindo variáveis relacionadas às lesões. Os dados foram analisados no programa SPSS® 13.0 (p<0,05). A pesquisa foi aprovada pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Federal de Alagoas, CAAE nº 31936213.5.0000.5013, parecer nº 692.893. Resultados: Observou-se que a maioria das lesões possuía contorno irregular (75%), com leito de coloração róseo amarelado (45%), com dor presente na lesão (55%), sendo a maioria de estágio 2 (50%), com odor moderado (50%). O tratamento mais utilizado nas lesões foi sulfato de neomicina + bacitracina (90%). Discussão: O processo de avaliação de uma ferida tem importância fundamental para o desenvolvimento de um bom plano terapêutico3. A avaliação clínica da ferida é primordial para a escolha do tratamento adequado, como o tipo de curativo e cobertura utilizados, levando em conta as condições ideais para um bom processo de cicatrização4. Diante disso, conhecer as características de uma ferida permite que o enfermeiro promova uma assistência de enfermagem integral, em uma ação multidisciplinar abordando os aspectos nutricionais e possíveis medicamentos, no caso da ferida infectada. Conclusão: Os resultados demonstram que a maioria das lesões possivelmente encontrava-se infectada, devido à coloração e ao odor. Observa-se que o tratamento é realizado sem critério de seleção, o que pode retardar o processo de cicatrização. Fica evidente que o conhecimento científico unido à avaliação das lesões contribui para uma assistência qualificada e integral, promovendo restauração funções e prevenindo possíveis sequelas.

Palavras-chave: Ferida; Pé diabético; Úlcera varicosa; Assistência de Enfermagem.

1.Cosson IO; Oliveira FN; Adan LF. Avaliação do conhecimento de medidas preventivas do pé diabético em pacientes de Rio Branco, Acre. Arq. Bras. Endocrinol. Metab, 2005, 49(4).

2.Avezum A; Piegas LS; Pereira JCR. Fatores de risco associados com infarto agudo do miocárdio na região metropolitana de São Paulo: uma região desenvolvida em um país em desenvolvimento. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, 2005, 84(3).

3.Santos VLCG, Sellmer D, Massulo MME. Confiabilidade interobservadores do PressureUlcerScale for Healing (PUSH), em pacientes com úlceras crônicas de perna. Rev Latino-Am Enfermagem. 2007, 15(3): 391-6.

4. Benevides JP; Coutinho JFV; Santos MCL; Oliveira MJA; Vasconcelos FF. Avaliação clínica de úlceras de perna em idosos. Rev Rene. 2012, 13(2):300-8.

*|0